Páginas

quinta-feira, abril 15, 2010

10% dos estudantes brasileiros sofrem com o bullying na escola

Humilhações e agressões são mais frequentes nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do país; incidência também é maior entre meninos

Cerca de 10% dos estudantes brasileiros entre 10 e 15 anos, de escolas públicas e particulares, sofreram humilhações e agressões ao menos três vezes durante o ano letivo de 2009, o que caracteriza o bullying.

Segundo pesquisa da ONG Plan Brasil, ligada à Plan International, percentual bem maior (70%) já presenciou cenas de agressão entre colegas. Outros 30% disseram ter sofrido ao menos uma situação de maus-tratos.

O bullying é mais comum no Sudeste, onde 15,5% dos alunos disseram ter sofrido algum tipo de violência (5% várias vezes por semana). Em seguida, aparece o Centro-Oeste com incidência de 12%. A pesquisa mostra que os meninos são maioria: 34,5% sofreram maus-tratos ao menos uma vez no ano letivo e 12,5% são considerados vítimas de bullying.

A principal prática de bullying é o xingamento (10 % dos casos). Também se destacam os apelidos vexatórios (5,7%) e insultos por conta de características físicas (4,5%). Socos, pontapés ou empurrões aparecem em 4% dos casos de bullying relatados. Em São Paulo, a prefeitura determinou que escolas incluam no projeto pedagógico a prevenção ao bullying.

Internet

O estudo detectou também a força do bullying nos meios eletrônicos: 16,8% dos estudantes já foram vítimas do ciberbullying, principalmente de e-mails maldosos. A pesquisa entrevistou 5.168 alunos em todo o país.

Nos eua, agressores são indiciados

Em março, nove adolescentes americanos foram indiciados pela Justiça de Massachusetts em razão do suicídio de uma estudante de 15 anos. Phoebe Prince teria sido vítima de bullying por três meses. Ela começou a ser perseguida pelos colegas após o fim do namoro com um menino popular da escola. Dois dos adolescentes indiciados foram acusados de abuso sexual. Outras sete garotas foram indiciadas por perseguição, assédio criminoso e violação dos direitos civis.


istock

(destak)

Nenhum comentário:

Postar um comentário