Páginas

domingo, abril 18, 2010

Economista vê Brasil deixando Belindia para trás e sugere melhorias no Bolsa Familia e mais qualidade na educação

Bacha defende "nova fase" para política social
- Luciana Rodrigues

Quando o economista Edmar Bacha cunhou o termo "belindia", em 1974, a desigualdade era uma "não-questão". Discutia-se pobreza, apostava-se no crescimento econômico, mas a agenda política do país omitia por completo o tema distribuição de renda. Trinta e seis anos depois de seu mais célebre artigo, Bacha acredita que está na hora de deixar a "belindia" para trás.

As políticas de distribuição de renda ganharam corpo, o país reduxiu seus vergonhosos indices de desigualdade e agora, Bacha é o momento de "partir para uma segunda fase".

É como se o desenho atual dos programas sociais brasileiros fosse voltado para uma "belindia" que está aos poucos, deixando de existir. Em palestra na Casa do Saber, Bacha ressaltou que, após ter reduzido a desigualdade de renda desdea estabilidade de preços e, "com mais força a partir de 2002", o país precisa agora investir na qualidade da educação. E defendeu a adoção de novos tipos de condicionalidades no Bolsa Famíla, que segundo ele, "é um dos melhores programas que existem".

- Os programas deram certo, mas não têm que ser entronizados - afirmou, na palestra "e a belindia", como vai?

Nenhum comentário:

Postar um comentário