Páginas

segunda-feira, maio 31, 2010

Caminhar com clareza

A motivação para escrevermos este texto sobre o construtivismo é a necessidade de responder à matéria “Salto no escuro”, de 12 de maio, com a qual, infelizmente, a revista Veja presta, mais uma vez, um desserviço à sociedade, com uma abordagem tendenciosa e superficial das questões educacionais.

Não nos interessa aqui rastrear quais as razões que levam um veículo de comunicação e um jornalista a atentarem contra a informação, mas certamente é nosso compromisso esclarecer que os graves e muitos problemas que assolam a educação brasileira certamente não perpassam, nem sequer tangem, o construtivismo.

A matéria publicada pela Veja tem como foco a responsabilização dos educadores brasileiros por uma apropriação rasteira das ideias de Piaget, mas de quebra também assume que a abordagem construtivista não se presta à aprendizagem escolar, pois foi posta de lado em países que buscam melhores desempenhos na alfabetização e no ensino de matemática. Ao fim, a moral da história: melhor saber como se livrar do construtivismo, pois nem que ele fosse devidamente apropriado teria algo a contribuir para a educação.

Seria ótimo se fosse simples assim: livrando-nos do construtivismo, que para nada pode nos servir, resolveremos, então, os profundos problemas da educação brasileira. No entanto, pelo que consta, esses problemas são derivados da histórica carência de uma política pública apta a enfrentar a questão da formação, valorização social e remuneração dos professores, assim como desenvolver estratégias eficientes para minimizar os efeitos das péssimas condições sociais de muitas crianças brasileiras que estão hoje na escola.

A prática pedagógica, realizada em qualquer perspectiva, requer igualmente professores bem preparados, com conhecimentos gerais sobre a aprendizagem e específicos das áreas de conhecimento a que se dedicam. No complexo cenário da educação brasileira atual, é simplesmente uma falta de responsabilidade social atribuir as mazelas do ensino à - inevitável, dadas as precárias condições da formação docente - má apropriação de uma perspectiva teórica.

O problema que urge e deveria ser pautado por uma imprensa séria e comprometida com a sociedade é justamente como garantir as condições das quais a educação brasileira carece para cumprir o projeto constitucional e democrático de construir uma escola para todos.

A matéria da revista Veja mistura de forma reducionista duas questões distintas: uma, os problemas da educação brasileira, outra, a abordagem construtivista na educação. Tendo tratado acima da primeira questão, passamos agora a considerar a segunda.

O construtivismo é uma teoria do desenvolvimento cognitivo, que pode também ser tomada como uma teoria da aprendizagem em sentido amplo, à qual a educação formal se alia, a partir de meados do século XX, para realizar sua função social de transmitir os conhecimentos culturalmente acumulados a todos os alunos.

A partir dessa concepção, é possível elaborar projetos pedagógicos claros e traçar planos de aula absolutamente rigorosos. Falta de metodologia e desacertos educacionais não têm nada a ver com o entendimento de que a aprendizagem se dá em interação com o meio e de que se constitui em uma atividade reflexiva do sujeito.

No entanto, apropriações ligeiras do construtivismo por parte da educação formal certamente geraram equívocos nas salas de aula, como é o caso de práticas baseadas na ideia de que o aluno constrói tudo a partir de si mesmo e, assim, que todo o conteúdo da aprendizagem deve ser pautado em suas próprias experiências.

O que a concepção construtivista afirma, diferentemente, é que a aprendizagem depende de estruturas cognitivas que se formam gradualmente, na medida em que o sujeito interage com o mundo empírico e social, sendo esta o resultado de um processo de descentramento do sujeito em relação a si mesmo e ao seu próprio ponto de vista.

Em relação à pedagogia dita tradicional, a diferença marcante de uma pedagogia fundamentada na perspectiva construtivista não diz respeito nem à sistematização e fixação de conteúdos, nem ao rigor metodológico e acadêmico ou à clareza de objetivos, que, pelo contrário, são tão necessários em uma quanto em outra abordagem, mas sim à consideração de que os conteúdos requerem formas cognitivas para serem apropriados, e que essas formas são gradualmente construídas pelo sujeito em interações diversas com o meio. Daí a preocupação com o processo em uma prática pedagógica inspirada na concepção construtivista.

É no processo de aprendizagem que se estabelecem as condições de apropriação dos conteúdos, é nele que se formam as estruturas cognitivas necessárias para se apreender as explicações sobre o mundo empírico – através das teorias de cada área de conhecimento – , e interagir no mundo social – através do estabelecimento do diálogo calcado no respeito mútuo.

Nessa mudança do foco do resultado para o processo de aquisição do conhecimento, está embutida uma mudança da lógica do conteúdo a ser ensinado para a lógica do desenvolvimento das estruturas cognitivas. Essa mudança de lógica não significa, porém, que os conteúdos deixam de ter importância, mas sim que o currículo escolar deve respeitar o desenvolvimento cognitivo subjetivo, investindo nas condições da aprendizagem.

Em uma escola como a EDEM, por exemplo, todo o currículo é elaborado levando-se em conta, além dos conteúdos estipulados oficialmente para cada segmento de escolaridade, as especificidades da aprendizagem de cada faixa etária. A prática pedagógica se realiza, então, através de recursos diversos e diferentes estratégias didáticas, observando ainda as potencialidades e dificuldades apresentados por cada aluno.

Ou seja, a aprendizagem, tal como concebida na EDEM, constitui um complexo que envolve conteúdos disciplinares oficiais, teoria do desenvolvimento cognitivo infantil, características subjetivas do aluno, metodologias pedagógicas favorecedoras da apropriação, significação e reflexão do conteúdo pelo aluno, e recursos didáticos diversos.

Em um contexto como este, no qual são relevados os múltiplos aspectos que integram o processo de aprendizagem, o construtivismo não é jamais um equívoco teórico ou um entrave prático, pelo contrário, é um excelente interlocutor, com o qual se pode aprender, debater e até, inclusive, chegar-se ao entendimento de que novas formulações devem ser buscadas.

A concepção de desenvolvimento cognitivo de Piaget é universalista e gerou uma série de críticas dos socioconstrutivistas, além de complementações teóricas, por exemplo, para a dimensão afetiva.

No entanto, a revelia do que alguns afirmam, essa concepção contribuiu enormemente com a área da educação, propiciando a compreensão de que todos, e não apenas aqueles que se submetem passivamente à lógica dos conteúdos, são capazes de aprender, desde que sejam observadas as condições de aprendizagem, levando-se em conta o desenvolvimento gradual da estrutura cognitiva subjetiva.

A partir disso, foi aberto à prática pedagógica um caminho que pode sim - e muito já tem feito em relação a isso - ajudar na construção de uma escola para todos, uma escola não meritocrática, excludente e elitista, mas uma escola democrática, onde todos têm direito a construir aprendizagens, adquirir conhecimentos, interagindo com os outros e refletindo sobre o mundo a sua volta.

Claudia Fenerich – Assessoria de Comunicação da EDEM

Nenhum comentário:

Postar um comentário