Páginas

sábado, junho 26, 2010

CRÍTICA: ‘Diário do Olivier’: pura alegria

Divulgação

Estreia desta semana, o “Diário do Olivier” é um programa que tem a cara daquele GNT que não flertava com a TV aberta, era um canal segmentado da melhor qualidade e ponto. Não se trata de uma atração de culinária, de dicas, de turismo. O formato, criativo, tem um pouco de cada um destes itens e, como se não bastasse, é um suculento filé para os francófilos, mesmo os vegetarianos.

Olivier já não atua só como cozinheiro. Virou um personagem. Na estreia, foi a Paris com a filha, Júlia, revisitar lugares e passear de péniche no Sena. As savpéniches são barcos baixinhos que, na sua origem, serviam para transporte de carga na rede fluvial francesa. Desde os $70, há quem more nelas, como foi o caso de Olivier quando criança. Ele mostrou sua ex-casa flutuante, atracada de modo a ter vista para a Torre Eiffel.

Mas foi a bordo de um modelo para turistas que passeou com a filha enquanto preparava um steak tartare. Duvido que mesmo aquele espectador de coração de pedra, do tipo que debocha dos clichês, não tenha se comovido com a alegria de Olivier ao picar a carne enquanto passavam a Notre Dame e os músicos que ensaiam na beira do rio.

O programa abusou de Edith Piaf cantando “Non, je ne regrette rien”, mas e daí? Olivier vibra enquanto trabalha e seu prazer contagia. Vive la France. Salve também o velho e bom GNT.

Nenhum comentário:

Postar um comentário