Páginas

terça-feira, junho 01, 2010

Sucesso no Google

Pequenas Empresas Grandes Negócios:

Enviado por Vanessa Guo em 10/05/2010

Achei uma reportagem interessante da revista "Pequenas Empresas Grandes Negócios" sobre empreendedores que aproveitaram a oportunidade da Revolução Digital para expandir seus negócios e ter mais retorno sobre os investimentos.

Um dos casos da reportagem é o do empresário Marino Arpino, 50 anos, fabricante das máquinas de sorvetes Fina-mac, e que diz respeito aos links patrocinados. Localizada na cidade de Santo André, na Grande São Paulo, a fábrica trabalhava a todo vapor em pleno inverno, característica incomum para o problema de sazonalidade enfrentado desde o início do negócio.

Se antes, nos anos 90, o empresário apostava nas feiras do setor de alimentação para a prospecção de clientes e não possuía muito retorno sobre o alto investimento, agora tinha estratégia ter como aliada a Internet. Mais especificamente em 2007, quando "descobriu" o Google, os benefícios dos links patrocinados começaram a alavancar o negócio.

O principal site de busca do mundo oferecia essa poderosa ferramenta de divulgação para atrair clientes como Gustavo Silva. Segundo a reportagem, "Gustavo Silva, proprietário da Concórdia, uma padaria de Quaraí, na divisa do Rio Grande do Sul com o Uruguai, entrou no site do Google, escreveu as palavras “máquina de picolé” e encontrou o link da Finamac.

“Fechei no mesmo dia a compra de duas e depois encomendei mais três”, afirma". Apesar disso, no início Arpino não investiu muito e suas campanhas eram bem vagas, sem foco algum, um erro muito comum entre principiantes nesse tipo de marketing.

Com isso, inicialmente suas campanhas não apareciam em busca alguma. Depois começou a "colher os frutos" da ferramenta quando passou a ter foco, investindo nas palavras-chave “comece seu próprio negócio”, “oportunidade de verão” e “desemprego.”

Além disso, a possibilidade de vender para lugares distantes, no Brasil e no mundo, o fascinou. Até então, as exportações representavam 5% do seu faturamento anual de R$ 2,5 milhões e seguiam para quatro países da América do Sul. Depois de traduzir suas campanhas no Google para o inglês e o espanhol, a receita pulou para R$ 4 milhões em 2008 e as exportações chegaram a R$ 800 mil — 20% do total.

Da fábrica, saíram máquinas para os Estados Unidos, México, Israel e países do Leste Europeu. Nas duas décadas que separaram a criação da Finamac da conquista de novos mercados o mundo mudou. Completamente.

Ainda segundo ele: "aprendemos a conviver com blogs, Google, Orkut, Twitter, Skype. Hoje não basta ter um site. Com a web 2.0 é preciso estar conectado com todos esses recursos — e isso é muito mais simples, rápido e lucrativo do que se imagina".

Vale a pena dar uma olhada na reportagem toda e em outras relacionadas à Revolução Digital.
(Fonte: http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI86692-17152,00-COMO+GANHAR+DINHEIRO+COM+A+REVOLUCAO+DIGITAL.html)

Nenhum comentário:

Postar um comentário