Páginas

quarta-feira, junho 16, 2010

Uma lição dos jovens

Uma reportagem especial desta edição de VEJA revela a existência de um fenômeno recente entre parcela considerável dos adolescentes e jovens brasileiros. Eles formam uma geração que cultiva a tolerância em um nível jamais atingido em outros períodos da nossa história.

É uma realidade positiva em especial para os jovens homossexuais, justamente na idade em que a aprovação dos pares é mais vital para o amadurecimento emocional do que a da própria família. Fazer parte de uma turma, ser aceito sem se ver obrigado a fingir e sem ser o alvo preferencial de gozações, quando não de hostilidades, é a melhor tradução de felicidade na adolescência.

A reportagem mostra que se revelar homossexual para os pais ainda é algo tenso, complexo e sofrido para um jovem. Mas o convívio com a diferença, antes verificado apenas no ambiente de vanguardas e cícrculos intelectuais e artísticos, está se tornandoa norma nos grandes centros urbanos brasileiros.

O fato de alguém ser gay não traz mais aquela marca dominante em torno da qual orbitavam todas as demais qualidadese defeitos do garoto ou da garota. Perante os colegas e amigos, a orientação sexual de um adolescente, que até há bem pouco tempo era a carcterística primordial de sua essência, passa a contar apenas como uma das muitas facetas da personalidade.

Encarar a homossexualidade com naturalidade é uma bela lição que os jovens brasileiros estão ministrando aos adultos. De modo geral, quando escapa da galhofa pura e simples, a homossexualidade é tratada com hipocrisia ou usada como bandeira por grupos militantes que vitimizam sua condição e são paparicados por políticos em busca de votos.

Os jovens estão demonstrando que ser homossexual não necessariamente implica que um indivíduo seja pior ou melhor, mais forte ou mais fraco do que o outro - mas apenas diferente. Isso leva a questão para longe das piadas, das bandeiras, das passeatas, das religiões, dos julgamentos morais e até das legislações, devolvendo-a ao arbítrio de cada um na confecção da imensa teia de afeição e rejeição que define a condição humana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário