Páginas

sexta-feira, julho 02, 2010

'Holanda não tem medo do Brasil', afirma meia

Seleção Brasileira encara a Holanda em disputa por uma vaga nas semifinais; vencedor joga contra Uruguai ou Gana para ir à final

Principal armador da Holanda, o meia Wesley Sneijder disse ontem que está preparado para o confronto e que não teme o Brasil. "Vamos jogar contra uma grande equipe, mas eu realmente acho que podemos ganhar. Nenhum de nós tem medo do Brasil", disse o camisa 10.

O meia, companheiro de Julio Cesar, Maicon e Lúcio na Internazionale, tem sido um dos destaques da Holanda na África do Sul. Já marcou dois gols e deu assistência para um. O técnico da Holanda, Bert van Marwijk, destacou a importância do atleta para a seleção. "Com ele em campo, o time joga diferente. Para ser sincero, eu não trocaria Sneijder por Kaká", disse o treinador.

O atacante Robben, recuperado de lesão muscular na coxa esquerda, está confirmado como titular.

A Seleção Brasileira colocará à prova, às 11h de hoje, no estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, os quatro anos de trabalho da era Dunga. Com um aproveitamento de 80%, a equipe enfrenta a Holanda por uma vaga nas semifinais da Copa e para defender os conceitos de seu técnico.

O rival de hoje é, provavelmente, o mais difícil dos 47 meses desde que Dunga assumiu o comando do time. Dona da maior invencibilidade da Copa, a Laranja Mecânica não perde há 23 jogos e tem um dos ataques mais perigosos do planeta. O quarteto ofensivo formado por Sneijder, Kuyt, Robben e Van Persie é a aposta holandesa para, finalmente, conquistar o seu primeiro título mundial.

Os números recentes do Brasil, porém, também impressionam. Em 59 jogos sob comando de Dunga, são 42 vitórias, 12 empates e apenas cinco derrotas. No período, venceu a Copa América e a Copa das Confederações.

"É uma decisão. Agora, tudo vai se afunilando. Será uma partida aberta, porque as duas seleções buscam o ataque. Vai ser um jogo bonito", afirmou Dunga, que comparou a técnica dos atletas holandeses com os sul-americanos.

Se vive às turras com a imprensa, o técnico vive um caso de amor com a torcida. Segundo pesquisa divulgada ontem pelo Datafolha, o trabalho de Dunga é considerado ótimo ou bom por 69% dos torcedores, seu melhor índice no cargo.

Nas duas últimas vezes em que se encontraram, o Brasil despachou a Holanda - quartas de final, em 1994, e semifinais, em 1998. Mas, no primeiro confronto, em 1974, a vitória foi da Laranja, 2 a 0.

A Seleção deve ter alterações hoje. O volante Felipe Melo, recuperado de lesão, pode retornar ao time titular. Uma baixa certa é o meia Elano, que sofre com um edema ósseo no tornozelo direito. O mais provável é que Daniel Alves jogue ao lado de Kaká.

Favoritos ao título, Brasil ou Holanda enfrentará nas semifinais o vencedor do duelo de hoje entre Uruguai e Gana.

Gramado do nelson mandela bay é o pior da copa

Construído a um custo de US$ 159 milhões (R$ 300 milhões), o estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, virou um grande problema. O palco do jogo do Brasil hoje tem o pior gramado da Copa. Há buracos e falhas ao longo de todo o campo. Os pontos mais críticos são as duas áreas. As fortes chuvas desta semana pioraram ainda mais as condições.

A Fifa, por isso, proibiu as seleções de fazerem o treino de reconhecimento. Ontem, a entidade comandou uma operação tapa-buracos no Nelson Mandela Bay. Funcionários jogaram areia nos buracos maiores e cobriram com gramas novas. Uma máquina com lâmpadas especiais também foi usada para evaporar o excesso de água.

(rogério barros)

Nenhum comentário:

Postar um comentário