Páginas

domingo, novembro 28, 2010

À espera de um milagre - Renato Grandelle

Os aparelhos de musculaçaõ têm fila. Esteiras são disputadas quase a tapa. Novos programas e atividades parecem brotar do nada. Os "turistas", alunos de frequência bissexta, tornam-se habitués. A carga dos exercícios cresce diariamente. 

A descrição acima, válida para qualquer academia, não deixa dúvidas: a despeito do que diz o calendário, o verão já chegou. E, com ele, a vontade de ficar em forma. Não à toa outubro e novembro, são os meses com maior índice de matrículas nesses estabelecimentos (a média é 10% maior do que no resto do ano.) 

A busca por um corpo melhor, porem, tem data de validade. Apenas 30% dos novatos mantém o treino a partir de março, segundo estimativas de instrutores consultados pelo GLOBO. O esforço concentrado divide profissionais de educação física, incertos de qual reesultado é possível conseguir em um período tão curto. 

O "projeto verão", como a corrida pela boa forma é apelidada, costuma seduzir principalmente as mulheres. Entre os homens, a adesão é significativa apenas entre os adultos jovens, de 18 a 30 anos. A resposta para o treinamento é variável, mas costuma ser maior naqueles que naão têm o hábito de malhar. Para este grupo, qualquer esforço já provocaria uma mudança visível. 

- Reparo que muita gente que vinha à academia só de vez em quando está treinando todos os dias. Todo mundo quer entrar bem no verão - conta a atriz Nicole Evangeline, aluna da Velox.

Quando começou a praticar musculação, em agosto, Nicole malhava três vezes por semana. Desde o mês passado, a atividade tornou-se diária. O treino, antes dominado pela preguiça, é hoje chamado de "happy time" e já lhe rendeu dois quilos de massa muscular.

- Queria mais definição e condicionamento. Pretendo continuar com este ritmo mesmo depois do verão porque é preciso manter os resultados. 

- Tinha muita vergonha de usar biquini. Agora eu me sinto mais à vontade.

Para André Leta, diretor técnico da rede Proforma, é possível obter ganhos significativos em três meses, se o aluno tiver uma boa disciplina de treinamento e orientação nutricional. Em oito semanas, segundo ele, uma pessoa consegue perder até 4 quilos de gordura corporal. 

- A maioria consegue cumprir seus objetivos, assegura. É inacreditável o comprometimento das pessoas quando elas têm um compromisso, uma data estabelecida. Para nós, está é uma oportunidade para enjagar os alunos em um programa de educação física regular. Não vemos o "projeto verão" com maus olhos.

A cardiologista isa Bragança, diretora da Clínica Médica Desportiva, reage com ceticismo aos esforços concentrados em uma estação. Segundo ela, o verão é um período muito curto para atingir os objetivos propostos pelos alunos. Aqueles que não recorrem a personal trainer e nutricionista podem se submeter a técnicas condenáveis, como correr na orla de casaco sob o sol forte - o que, reza a lenda, aumentaria a produção de suor e ajudaria a emagrecer.

- É impossível perder 10, 15 quilos em um mês sem sofrer perigos efeitos colaterais, alerta. É preciso manter uma dieta balanceada, de 1500 calorias diárias. Muitos tentam perder peso mas acabam apenas se desidratando. Correr em um horário inadequado pode provocar hipotensão, hipoglicemia e até uma síncope.

O diretor acadêmico da Associação Brasileira de Axcademias - Acad - Ângelo Dias, também não acredita em resultados rápidos. Na sua conta, quem treina uma hora por dia, três vezes por semana, só verá os resultados aparecerem após três meses. Um aluno que se matricular na academia em janeiro, dificilmente conseguirá progressos expressivos até o carnaval.

Nenhum comentário:

Postar um comentário