Páginas

domingo, novembro 21, 2010

Vaticano minimiza fala do papa sobre camisinha

Bento 16 admitiu uso de preservativo em 'alguns casos', principalmente para prevenção contra Aids

O Vaticano afirmou ontem em comunicado que o fato de o papa Bento 16 ter admitido o uso de preservativo em alguns casos não é "uma mudança revolucionária", mas uma "visão compreensiva" para levar ao exercício responsável da sexualidade.

Em livro de entrevistas que será lançado amanhã, Bento 16 diz que o uso de preservativos é aceitável "em certos casos", principalmente "para reduzir o risco de infecção por HIV". A afirmação abranda sua firme oposição contra o contraceptivo.

"A Igreja não vê o preservativo como uma solução real e moral, mas, em certos casos, em que a intenção é reduzir o risco de infecção, ele pode ser utilizado como um primeiro passo para outro, mais sexualmente humano", afirma o papa. O livro traz entrevistas feitas pelo jornalista alemão Peter Seewald.

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse no comunicado de ontem que as manifestações de Bento 16 "não reformam ou mudam as doutrinas da Igreja, mas as reafirmam, na perspectiva do valor e da dignidade da sexualidade humana como expressão de amor e responsabilidade".

O diretor do programa da ONU contra a Aids, Michel Sidibé, classificou de "passo significativo e positivo" que o papa admita o uso de preservativo em alguns casos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário