Páginas

terça-feira, março 20, 2012

Estudo analisou 350 mil pessoas; especialistas britânicos receberam conclusão com cautela O Globo

Harvard: arroz branco poderia causar diabetes tipo 2


O arroz branco poderia levar ao diabetes, segundo estudo de Harvard
Foto: Divulgação
O arroz branco poderia levar ao diabetes, 
segundo estudo de Harvard Divulgação
LONDRES — Ao revisar quatro estudos, envolvendo mais de 350 mil pessoas, pesquisadores de Harvard chegaram à conclusão de que, quanto mais arroz branco as pessoas comem, maior a chance de desenvolver diabetes do tipo 2. 

O trabalho foi publicado no “British Medical Journal” (“BMJ”), mas especialistas da Grã-Bretanha, ao saberem do seu teor, disseram que é arriscado fazer uma afirmação como esta.

Especialistas da Escola de Saúde Pública de Harvard e da Escola de Medicina de Harvard analisaram dois estudos asíáticos (feitos com chineses e japoneses) e dois com populações ocidentais (americanos e australianos).

Eles constastaram que os povos asiáticos tendem a comer mais arroz branco do que os ocidentais: ingerem o alimento em média três ou quatro vezes ao dia, enquanto os ocidentais estudados comiam uma ou duas porções por semana. 

O trabalho mostrou que os asiáticos tinham maior chance de desenvolver diabetes do tipo 2 e que, quanto maior a ingestão de arroz branco, maior o risco. Mesmo entre as populações ocidentais, que consumiam muito menos deste alimento, os pesquisadores disseram que o “consumo relativamente alto de arroz branco pode aumentar, modestamente, o risco de diabetes”.

Considerando-se todos os indivíduos estudados, os pesquisadores afirmaram que, a cada porção extra de arroz branco (considerando-se que cada uma tenha 158 gramas) ingerida, o risco de diabetes 2 crescia 11%.

Os estudos levaram em conta uma série de fatores, como peso dos participantes, quantidade de exercício que eles faziam e alimentação — como, por exemplo, quanta carne e álcool ingeriam. No início do estudo, nenhum deles tinha diabete. Mas, ao final das pesquisas, que duraram de quatro a 22 anos, cerca de 13.200 haviam desenvolvido a doença.

Segundo os pesquisadores de Harvard, pesquisas anteriores sugeriram que comer arroz integral poderia diminuir discretamente o risco de diabetes, mas ressaltaram que é preciso mais estudos até que se possa dizer se é mais saudável substituir o arroz branco pelo integral.

Na reportagem que acompanhou a publicação do trabalho de Harvard no “BMJ”, o médico Bruce Neal, da Universidade de Sydney, disse que estudos mais amplos a respeito da relação entre consumo de arroz e diabetes são necessários.

Já a nutricionista Glenys Jones, do Conselho de Pesquisa Médica, de Cambridge, lembrou que o estudo de Harvard não comprovou que o maior consumo de arroz branco pode causar diabetes, mas apenas “é uma análise de quatro estudos observacionais que, quando combinados, mostraram que, entre aqueles que tinham maior consumo de arroz branco, houve maior incidência de diabetes”, o que, segundo ela, é insuficiente para levar à conclusão de que doença ocorreu por este motivo. 

“Ela pode ser decorrente de outros fatores relativos ao estilo de vida dos participantes”, disse.

A nutricionista Catherine Collins, do Hospital Saint George, de Londres, acrescentou: “As descobertas da revisão sugerem que o risco de desenvolver diabetes tipo 2 é maior entre a população asiática, mas, se isso é devido ao consumo de arroz ou à predisposição genética, não pôde ser determinado.”

Iain Frame, especialista britânico em pesquisas sobre diabetes, lembrou que estudos anteriores nesta área foram incapazes de fornecer resultados conclusivos, porque é difícil afirmar que um único tipo de comida possa estar ligado ao desenvolvimento de diabetes.

E Katarina Kos, consultora em diabetes e endocrinologia da Faculdade de Medicina e Odontologia Peninsula, observou que, “quanto mais alimentos que contêm amido (como o arroz) nós ingerimos, mais nós ingerimos de qualquer outro tipo de comida”. 

Ainda segundo ela, neste sentido, a única coisa que se pode afirmar é que manter o peso ajuda a prevenir o diabetes e também a mantê-lo sob controle.

Nenhum comentário:

Postar um comentário