Páginas

quarta-feira, agosto 15, 2012

Em busca da felicidade - Vera Ghimmel

Passamos boa parte do tempo das nossas vidas procurando a felicidade. Nos iludimos buscando coisas para isso. Coisas do lado de fora. Não viemos aqui para buscar felicidade através de coisas.
O mundo está oferecendo constantemente todas as oportunidades para que a alegria e a felicidade se manifestem em você. Aprender a ouvir o Universo e a Verdade estará lá, independente de você focalizá-la.
A mentira somente sobrevive quando nós a alimentamos.
A felicidade é sua responsabilidade e é como você se comporta diante do mundo.
Se saímos de casa com a sintonia de maus pensamentos e a sensação de que vamos ficar mal, assim será.
Você estará contratando o seu dia ruim. Se queremos que o mundo mude, temos que mudar. Nosso interior é apenas o reflexo do que acreditamos. Quando nosso ego está no comando estamos reféns do que o sistema nos aprisiona e nos faz crer que precisamos para viver.
Segundo o professor Steve Droullard, da Universidade de Pesquisas Filosóficas dos EUA, Buda disse que nossas preocupações sobre nós mesmos se encaixam em oito medidas: elogio e culpa, perda e ganho, prazer e dor, e por último, fama e vergonha.
Tudo que nos faz sentir para cima e para baixo está nessa categoria. Isso só acontece quando agimos através do ego. Todas as vezes que somos egocêntricos, estaremos agindo a partir do pensamento.
Não será essa a realidade, mas sim o Universo que gira em torno dessas oito medidas. Tudo será avaliado assim, se ganhamos ou perdemos, se temos prazer ou dor e assim por diante. Se queremos ser felizes temos que sentir com o coração e não com a mente.
Nossos objetivos vêm naturalmente como resposta de nosso envolvimento emocional do que fazemos.
Se organizamos nossa vida em torno dos valores supremos como beleza, justiça, igualdade, verdade, amor, liberdade e paz, a felicidade virá até nós.
Essa é a afinação do Universo. Nossa maior jornada é para a Essência e não para o Sucesso. Cada um de nós é um ser único e que manifesta a beleza de Deus.
Passamos um bom tempo tentando imitar ou se parecer com alguém que deu certo e demoramos a entender que isso é que não dá certo.
A felicidade vem de dentro. Temos que perguntar ao nosso Eu Interior o que precisamos fazer por nós. Não por punição, pagamento de carma ou autoflagelo, mas para o engrandecimento de nossa essência.
Precisamos parar de perder tempo, valioso, por sinal, em prol de nossa melhor expressão de nós mesmos.
Vamos ser a mais leal, querida e amorosa expressão de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário