Páginas

terça-feira, novembro 06, 2012

Cuide de suas unhas e garanta saúde

http: mundoverde.com.br

Você vai à manicure e pedicure toda semana e acredita que este cuidado já é o ideal para manter a saúde das suas unhas

Pois, saiba que você está enganada: é preciso prestar atenção na alimentação e fazer sempre um autoexame para garantir que estas pequenas áreas não influenciem no seu organismo como um todo.

Manchas, descamações, mudança de cor e alterações no formato das unhas são pistas para inúmeros males – de uma simples micose até doenças cardíacas. 

Qualquer alteração patológica nas unhas deve ser observada com rigor, pois sinaliza desde falta de nutrientes, estresse e micoses até problemas mais sérios, como cirrose hepática, insuficiência renal e endocardite (a inflamação do revestimento interior do coração, geralmente provocada por bactérias)”, garante o dermatologista Guilherme de Almeida, em uma entrevista para a revista Viva Saúde. 

Sua colega de profissão, a médica paulistana Aurea Lopes, concorda e aponta como outras causas males como dermatite de contato, lúpus eritematoso (doença crônica que causa inflamações em várias partes do corpo) e até mesmo problemas circulatórios periféricos, cardiológicos e intestinais.

Na maior parte das vezes, as manchinhas esbranquiçadas e pequenas são resultado de batidas leves que provocam pequenos traumas na matriz ungueal (local onde as células de queratina que formam a unha são produzidas). 

Assim como aquelas linhas finas e verticais (faixas hemorrágicas) decorrentes do rompimento de vasinhos minúsculos, essas marcas somem sozinhas e nem sempre são motivo de preocupação.

Porém, se elas tomam quase toda extensão da unha e não desaparecem, vale a pena consultar um médico especialista. 

Confira abaixo o que cada tipo de mancha pode significar:

Manchas esbranquiçadas: anemia, carência de zinco e proteínas, dermatites de contato (alergias a esmaltes, sabões, detergentes…), psoríase, micoses, intoxicação por metais pesados, insuficiência renal;

 
Manchas amarelas ou unhas amareladas: frequentes em fumantes, também indicam uso crônico de antibióticos, ingestão em excesso de betacaroteno (precursor da vitamina A, encontrado em cenoura, beterraba, mamão…), diabetes, micoses e males do fígado;

 
Arroxeadas: micoses, tumores, uso de remédios coagulantes, males cardíacos, lupus eritematoso;

 
Esverdeadas ou com inchaços, vermelhidão e dor que se expande ao redor dos dedos: iInfecções bacterianas e micoses;

 
Metade branca, metade avermelhada: problemas renais;

Faixas negras: disfunções hormonais, micoses, tumores na matriz ungueal, câncer de pele (melanoma);

Fracas, secas, quebradiças, com tendência à descamação: falta de cálcio, além de zinco e vitaminas A, B e E, nutrientes que constituem a unha. Anemia, hipotireoidismo;
 
Amarelada, espessa e sem crescimento: distúrbios pulmonares;

 
Ondulações: geralmente indicam traumas (a espátula de empurrar cutícula é usada com força). E ainda: anemia e doença cardíaca ou pulmonar.

Alimentação

Se a má aparência for somente de origem estética, o uso de hidratantes para as unhas já ajuda bastante, assim como o hábito de sempre lavar as mãos com água fria ou morna para não ressecar a pele. 

Outra dica é caprichar na alimentação. Ingerir pelo menos duas porções diárias de grãos integrais e castanhas (ricos em zinco) e ovos e carnes magras (fontes de proteína) ajudam a potencializar a formação da queratina.

A revista Viva Saúde separou ainda alguns cuidados que você deve, ou não ter, para manter a saúde de suas unhas. Confira:

Levar o próprio kit de manicure ao salão de beleza.
 
SIM, principalmente para evitar micoses. “O fungo pode passar de uma unha para outra por meio da lixa ou de material não esterilizado”, afirma a dermatologista Juliana Neiva.

Recorrer a esmaltes e produtos especiais para fortalecer as unhas.
 
DEPENDE. Se o problema for passageiro, fruto de uso de medicamentos ou de baixa resistência, há possibilidade de melhora. Mas é importante identificar no rótulo a presença de formol e baixa concentração de vitamina E. 

Outra medida válida é manter as unhas hidratadas com cremes à base de uréia e lactato de amônia. No entanto, se o enfraquecimento estiver relacionado a problemas de saúde ou se a pessoa viver em dietas muito restritivas, só um médico tem condições de recomendar o tratamento correto.

Usar luvas para lavar louça e prevenir alergias nas mãos.
 
SIM. Os detergentes costumam conter substâncias nocivas para a cutícula de pessoas predispostas a dermatites de contato. As luvas são uma boa forma de proteção.

Preservar sempre a cutícula. 
 
EXATO. Segundo o dermatologista Guilherme de Almeida, ela serve para proteger a matriz da unha e impedir o surgimento de infecções ou micoses. As cutículas devem ser empurradas e nunca cortadas com tesoura ou alicate. Removedores especiais são uma alternativa.

Evitar o uso constante de esmalte.
 
ISSO MESMO. A dermatologista Marcelle Miranda, do Rio de Janeiro, recomenda deixar as unhas “respirarem” de vez em quando. “Uma dica é retirar o esmalte um dia antes de fazêlas”, conta. Para evitar alergias indesejáveis, que comprometem a saúde da cutícula, é bom fugir de esmaltes e produtos à base de tolueno e formaldeído.

Nenhum comentário:

Postar um comentário