Páginas

quinta-feira, novembro 08, 2012

Nana Gouvêa e o Choque Cultural


Nana e a foto que ofendeu os americanos...
 





Já esta de militares americanos urinando em prisioneiros não chocou ninguém

Tem gente otimista que acredita no amor entre os povos. Seria quase um efeito colateral da globalização, o amor que pode unir a todos, já que somos todos iguais.
 
No papel é lindo mas na prática somos todos reféns da cultura na qual nascemos e crescemos. Ninguém chega a idade adulta puro e aberto a outras influências, pelo contrário, a bagagem cultural conta até na hora de colocar mais ou menos sal na comida.

A melhor coisa a fazer quando saímos de casa é imitar o comportamento dos outros na casa que a gente visitar. Não tem de outra, isso evita todo tipo de transtornos e choques culturais.

Quem devia saber disso e não sabia foi a modelo Nana Gouvêa, que de uma maneira desavisada fez pose sexy nos destroços da cidade de New York, depois da passagem do furacão Sandy. Os americanos surtaram, invadiram o twitter dela, suspenderam o Facebook e agora ela diz que está sendo ameaçada e não pode sair de casa.
 
A imprensa americana achou uma falta de respeito as fotos delas, uma falta de sensibilidade, acharam que ela estava tripudiando na dor deles e agora estão detonando a moça, se referindo a ela de maneira pejorativa e em um país conservador como os Estados Unidos descobriram que a moça já posou para a Playboy, isso faz dela a pior pessoa no mundo para os americanos, quase uma terrorista.

Realmente não era o dia da Nana, porque o ator Júlio Rocha e a repórter Janaína Jacobina fizeram fotos do mesmo jeito, fazendo cara de sexys e ninguém falou nada, mas Nana foi tão criticada que correu a colocar um vestido justo e gravou uma mensagem em inglês, pedindo perdão aos americanos.

Se não existisse a barreira cultural isso nunca teria acontecido, mas é que os americanos não sabem que nós brasileiros somos assim mesmo, cafonas, jecas e exibidos. O que a moça fez foi de péssimo gosto mas em um país como o Brasil, de sub-celebridades o comportamento dela é aparentemente normal, tão na média como a Mulher Maçã que chorou com a  morte de Steven Jobs, já que os dois deviam sua fama a uma maçã.
 
Todos os dias no programa TV Fama sub celebridades fazem coisas bizarras para aparecer, perto delas a Nana foi primária. Mas é como os povos entendem e expressam sua cultura, cada um faz do jeito que aprendeu e acha o correto.
 
Os americanos se sentiram ofendidos com uma brasileira fazendo cara de sexy no meio dos destroços, mas por ser um povo bélico eles não se ofendem quando vêem seus soldados urinando em prisioneiros, torturando pessoas e mostrando vídeos onde atacam cidades e civis sem o menor remorso, pelo contrário,em um famoso vídeo o piloto dispara os mísseis e se comporta como se estivesse em um jogo de vídeo game. 
 
Nada disso ofende ou assusta os americanos mas grande parte do mundo, como o Brasil, se horroriza com esse comportamento dos militares mas os americanos acham normal. 
 
Pesou contra Nana ela ser brasileira. Isso é típico dos americanos, se estão bem fingem ser abertos a todos os povos e fazem questão de dizer que o seu grande e livre país se construiu pelos imigrantes mas se estão sensíveis depois de uma tragédia pegam uma alergia a imigrantes, principalmente se são latinos e no caso Nana pagou por ser uma brasileira sem noção.

Mas nós somos assim sem noção! Ninguém dá mais show lá fora do que o brasileiro e agora que somos ricos, nossa mãe, agora a gente apronta mesmo. Não somos cafonas para provocar ninguém, é nossa essência e tirar fotos fazendo cara de sexy é uma característica do povo brasileiro, gostamos de mostrar as fotos pra todo mundo. Fazer o que? Somos deslumbrados com tudo e jequice é nossa maneira de viver e ser feliz, fazemos isso sem maldade, não queremos incomodar ninguém.

O que Nana fez foi infeliz e besta mas não é pra tanto. Engraçado pensar que os americanos ficaram chocados com isso mas passaram batido as fotos dos estragos do furacão em outros países, estão batendo o pé como se eles tivessem sido os únicos a sofrer tanto.

Nana na árvore é uma coisa deprimente, podia ter ficado sem essa mas e as fotos dos interrogatórios (tortura) que os militares americanos fazem em Guantánamo (Cuba)?

Essa é a grande linha cultural que divide o mundo, o fato de cada um se horrorizar com os costumes do outro, isso afasta qualquer entendimento dos povos, anula qualquer possibilidade de compreensão do comportamento alheio.

Eu prefiro ser brasileira, cafona, jeca, ridícula e tirar uma foto infeliz em um momento errado, do que olhar fotos de tortura e achar uma coisa cotidiana.Cada povo entende sua cultura, e eu não tenho a grandeza para entender uma cultura que tem centros de tortura e se orgulha disso. Prefiro mil vezes ter nascido em um país de exibidos, abestalhados e ingênuos, do que pensar que provocar dor física em alguém é normal.

É melhor pertencer a um país onde as pessoas sonham com uma fama barata e se divertem fazendo bobagens, do que pertencer a um país que tem orgulho de transformar toda uma geração de meninos e meninas em máquinas de matar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário